POR QUE SE VACINAR

Caxumba de volta nos EUA?

http://www.sciencemag.org/news/2018/03/why-so-many-college-students-are-coming-down-mumps

Por que tantos estudantes do ensino superior estão ficando com caxumba? A pergunta apareceu em março de 2018, entre as notícias da seção jornalística da maior revista semanal norte americana, a Science. O texto, assinado por Roni Dengler, começa contando que a caxumba, “uma doença de que quase nenhuma criança escapava”, havia praticamente desaparecido nos Estados Unidos, desde a criação de sua vacina, em 1967. Mas nos últimos 15 anos, a doença reapareceu, e entre jovens adultos. Por que? De acordo com a reportagem, o sistema de saúde percebeu que a proteção que a vacina da caxumba oferece diminui ao longo do tempo. Ela requer um reforço – justamente em torno dos 18 anos, quando os jovens ingressam no ensino superior.

A afirmação resulta do estudo de um epidemiologista e um imunologista da escola de Saúde Pública da Universidade Harvard quando a caxumba chegou ao campus, em 2016. Os pesquisadores compilaram dados de seis estudos anteriores sobre a efetividade da vacina, conduzidos entre 1967 e 2008, nos Estados Unidos e na Europa, para estabelecer a imunidade conferida pela vacina de caxumba que dura, em média, 27 anos. Pelas contas deles, 25% dos vacinados podem perder a imunidade em 8 anos e a metade em 19 anos.

Os sanitaristas também estudaram como essa imunidade decrescente afeta a susceptibilidade da população em geral, e com isso obtiveram um modelo que mostrou compatibilidade com a ocorrência de surtos da doença quando aplicado aos eventos passados. Por exemplo, no final dos anos 1980 e começo de 1990, houve surtos entre crianças de 10 a 19 anos; e esses surtos estavam em concordância com o modelo, que previu que bebês que haviam tomado a vacina com um ano de idade teriam sua imunidade diminuída, justamente, na segunda década de vida. O governo americano resolveu o problema, na época, recomendando uma segunda dose da vacina nessa faixa etária; o resultado foi o adiamento do surto para a vida universitária. Por isso, a suposição de que uma terceira dose, nessa faixa etária, resolva o problema do reaparecimento da caxumba nos EUA.

Stanley Plotkin, um experiente vacinologista, diz que não se pode descartar a chance de o vírus, nesses anos, tenha sofrido mutações que podem ter afetado a efetividade da vacina.